Resenha | O Mundo Sombrio de Sabrina – 1ª Temporada (Original Netflix)

Quando foi anunciado pela Netflix que teríamos uma série sobre a bruxinha Sabrina,  só conseguia pensar em uma coisa: AI MEU DEUS! Não tinha uma pessoa que não estivesse alegre que um dos ícones das séries dos anos 90 estava voltando, mas junto da felicidade tinha a dúvida: será que faz sentido trazer de volta algo que deu certo nos anos 90? – e posso dizer com muita tranquilidade que sim, vale muito a pena.

Os criadores de Riverdale não poderiam deixar uma boa história escapar assim e sabia quem aceitaria fazer parte disso, nossa querida Netflix. Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira chegou nos anos 90 alegrando com seu humor diferente, as vezes ácido e com aquilo que amamos, bruxas e um gato que fala. Em sua nova versão temos algo um pouco mais pesado, que mesmo com o humor, carrega um peso mais sombrio e profundo que a de antigamente.

Para os que não tem ideia do que estou falando, acompanhamos a bruxinha, Sabrina (Kiernan Shipka), uma jovem que após a morte de seus pais em um acidente acaba indo morar com suas tias solteironas, Hilda (Lucy Davis) e Zelda (Miranda Otto). Sabrina por ser filha de uma humana com um bruxo, pode fazer parte da Academia das Artes Invisíveis, após completar 16 anos, se desvinculando da escola humana e entregando sua lealdade para o Satã.

Sabrina não consegue aceitar o fato de perder sua liberdade e deixar sua antiga vida para trás, desafiando sua família e chamando não só a atenção de sua comunidade, mas principalmente a de Padre Blackwood (Richard Coyle), o Diabo em pessoa por assim dizer.

O tom colorido e anos 90 da série some em sua nova versão. Adaptada da história no arco Afterlife with Archie, onde a cidade de Riverdale é tomada por um apocalipse zumbi. Não digo que seria interessante um crossover de histórias, mas pensando dessa forma, transforma o antes da história de Sabrina em algo ainda mais interessante, não apenas pela questão de seus poderes, mas na criação de seu universo em futuras temporadas – assim espero.

Temos o namorado de Sabrina, o jovem Harvey (Ross Lynch), que não é apenas um garoto bobo e segue sua namorada, mas que também esconde algo estranho e talvez obscuro em sua linhagem familiar. Já o bruxo podemos dizer amaldiçoado na história, dessa vez não está nas costas de Salem – o gato dos anos 90 -, mas na de Ambrose (Chance Perdomo), o primo de Sabrina. Um jovem que condenado à prisão domiciliar por toda sua eternidade. E já que falamos de novos personagens, não poderia faltar falar sobre, as Três Irmãs Estranhas, que fazem de tudo para a vida da bruxinha ser um inferno, ainda maior.

Algo que agora pode deixar os fãs decepcionados – já que cada geração tem a adaptação que merece – o nosso querido Salem dessa vez não terá uma voz. Nos anos 90, Salem é amaldiçoado a se transformar em um gato por toda sua eternidade após tentar dominar o mundo, e é quem também transformava a série em um humor elegante e maravilhoso. Já em O Mundo Sombrio, não teremos essa sorte, já que dessa vez ele é um protetor da família chamado Familiar, que protege sua bruxa até a morte e assume a forma de um animal. Mesmo que o animal funcione em sua nova versão, acaba fazendo falta sua voz em alguns momentos.

O Mundo Sombrio de Sabrina é uma história que vale a pena e um acerto em cheio da Netflix. A maratona pode ser levada de forma fácil, já que seus ganchos deixam a gente com mais vontade ainda de saber o que vai ocorrer no próximo capitulo, e tudo isso sem perder o ritmo. somos pegos pelas crenças dos personagens, conversas sobre sexualidade, feminismo e assuntos da atualidade – principalmente pelo seu lado adolescente – mas tudo sempre de forma bem suave e que não torna isso sempre o grande foco da conversa. Os fãs de algo sombrio e até mesmo os de Buffy já podem festejar, que a série para o Halloween está chegando e que promete muito sucesso.