Resenha | Nasce Uma Estrela

Bradley Cooper nunca foi meu ator favorito, e digo isso com muita tranquilidade. Ele não é o cara dos melhores filmes do mundo ou da atuação mais desafiadora, mas agora com seu novo filme, Nasce Uma Estrela isso mudou totalmente. O ator não só chega com a mão na direção do longa, mas atua como protagonista ao lado de Lady Gaga, mostrando um lado delicado e verdadeiro da indústria musical.

Nasce Uma Estrela não é um filme novo, já que existem três versões anteriores a está, sendo a mais famosa com a cantora, Barbra Streisand em 1976. Mas posso dizer que mesmo que ambas boas, a versão de Cooper foi a que mais me emocionou. Com uma fotografia e roteiro, a todo momento somos levados pelo ritmo e o sentimento que a música quer passar para a galera. Temos Ally (Gaga), que trabalha em um restaurante e deseja estar no mundo da música. E Jackson Maine (Cooper), um cantor já conhecido na indústria que apenas faz seu show sem amor e despenca no copo de álcool.

Gaga e Cooper fazem o casal perfeito em tela, conseguindo nos passar muito bem os momentos felizes e tristes, tanto em sua vida amorosa quanto na carreira. Temos Jackson ensinando para Ally sobre o mundo da música e como as pessoas sempre vão querer moldar você, mas que devemos bater o pé as vezes para que não se perca a essência, e em certos momentos aceitar para que as pessoas gostem de você. Essa que é uma lição muito importante, não só na indústria da música, mas em praticamente todo tipo de arte.

A trilha sonora segue de forma magnifica, de maneira delicada e que cada letra significa algo muito importante para a história dos personagens. A história não é só contada por diálogos, mas também pela música. Não tem como não chorar em muitos momentos, onde ficamos na pele de Ally ao conseguir seguir seu sonho e concorrer ao Grammy, e as dificuldades de Jackson ao se livrar do álcool e ver sua companheira subir, enquanto sua carreira cai cada vez mais.

Algo que talvez acabe sendo um pouco ruim é que a atuação de Gaga em alguns momentos pode cair um pouco, especificamente mais para o meio/final do filme, nos momentos que não está com Cooper. Mas isso não tira o mérito de sua incrível atuação, passando um sentimento maravilhoso com seu olhar e voz, sendo um pacote completo para seu primeiro longa. E Cooper mostra que sua primeira vez na direção deu mais liberdade de fazer o que queria e trouxe um lado dele que ninguém conhecia, me fazendo agora ser fã dele.

Nasce Uma Estrela é uma mistura de sentimentos, que fazia tempo que não sentia em uma sessão de cinema. Eu fui capaz de rir, chorar e sempre com o olho brilhando, mostrando que quando seguimos nosso sonho e acreditamos nele, tudo pode acontecer. Mas que nunca devemos deixar que nos coloquem para baixo, pois as palavras sempre podem ser perigosas.